Nos últimos tempos, o termo ESG tem ganhado grande visibilidade, graças a uma preocupação crescente do mercado financeiro sobre a sustentabilidade. As questões ambientais, sociais e de governança passaram a ser consideradas essenciais nas análises de riscos e nas decisões de investimentos, colocando forte pressão sobre o setor empresarial. A aparente novidade parece tirar o sono das organizações, que buscam entender o que é ESG e as adaptações necessárias para estar em conformidade com esta exigência. Mas a verdade, ESG não é uma evolução da sustentabilidade empresarial, mas sim a própria sustentabilidade empresarial, como explicou o diretor-executivo da Rede Brasil do Pacto Global neste artigo, publicado pela Exame. 

Segundo relatório da PwC, até 2025, 57% dos ativos de fundos mútuos na Europa estarão em fundos que consideram os critérios ESG, o que representa US$ 8,9 trilhões, em relação a 15,1% no fim do ano passado. Além disso, 77% dos investidores institucionais pesquisados pela PwC disseram que planejam parar de comprar produtos não ESG nos próximos dois anos.

 

ESG é uma sigla em inglês que significa environmental, social and governance, e corresponde às práticas ambientais, sociais e de governança de uma organização. O termo foi cunhado em 2004 em uma publicação do Pacto Global em parceria com o Banco Mundial, chamada Who Cares Wins. Surgiu de uma provocação do secretário-geral da ONU Kofi Annan a 50 CEOs de grandes instituições financeiras, sobre como integrar fatores sociais, ambientais e de governança no mercado de capitais. Na mesma época, a UNEP-FI lançou o relatório Freshfield, que mostrava a importância da integração de fatores ESG para avaliação financeira. Já em 2006, do PRI (Princípios do Investimento Responsável), que hoje possui mais de 3 mil signatários, com ativos sob gestão que ultrapassam USD 100 trilhões – em 2019, o PRI cresceu em torno de 20%.

O entendimento e a aplicabilidade de critérios ESG pelas empresas brasileiras é, cada vez mais, uma realidade. Atuar de acordo com padrões ESG amplia a competitividade do setor empresarial, seja no mercado interno ou no exterior. No mundo atual, no qual as empresas são acompanhadas de perto pelos seus diversos stakeholders, ESG é a indicação de solidez, custos mais baixos, melhor reputação e maior resiliência em meio às incertezas e vulnerabilidades. 

Segundo o Climate Change and Sustainability Services, da Ernest Young, as informações ESG são essenciais hoje para a tomada de decisões dos investidores. E os critérios ESG estão totalmente relacionados aos ODS, realidade nas discussões no mercado de capitais. Os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável reúnem os grandes desafios e vulnerabilidades da sociedade como um todo. Com isso, apontam os principais itens a serem acompanhados de perto. Além disso, sinalizam as grandes oportunidades ao se relacionarem diretamente com as necessidades. 

No Brasil, a relação dos ODS com os negócios está presente nas grandes empresas. Segundo levantamento realizado com as companhias que fazem parte do ISE, Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3, 83% delas possuem processos de integração dos ODS às estratégias, metas e resultados.

 


ESG nada mais é do que a própria sustentabilidade empresarial. Uma empresa que está em conformidade com práticas ESG entende quais são seus impactos negativos e positivos na sociedade e consegue agir sobre eles. É necessário minimizar os negativos e potencializar os positivos, assim como equacionar os prejuízos já provocados.

Você pode começar com duas perguntas:

 

Minha empresa está em conformidade com os Dez Princípios do Pacto Global?

 

 DIREITOS HUMANOS 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 TRABALHO 


 MEIO AMBIENTE 


 ANTICORRUPÇÃO 

Minha empresa tem projetos que contribuem para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU?

Grid Logo ONU.png


Conheça ao lado ferramentas para ajudar na jornada ESG da sua empresa.


Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, estabelecidos pela ONU em 2015, são hoje em dia o principal guia que a sua empresa deve seguir para adequar suas operações a boas práticas ESG. Eles resumem os desafios sociais, ambientais e de governança do nosso tempo, que só conseguiremos superar com o engajamento das empresas. Abaixo descrevemos duas ferramentas práticas do Pacto Global para que sua organização integre os ODS no dia a dia das operações.

 

SDG Compass

O SDG Compass é um guia do Pacto Global, em cinco passos, que ajuda as empresas a entenderem os seus impactos relacionados aos ODS e a estabelecerem metas compatíveis. Confira abaixo um resumo das etapas do Compass.

ARTE BASEADA NO ROADMAP

Acesse aqui o roadmap Como trabalhar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para mais informações. 

Confira aqui a publicação completa sobre o SDG Compass. 

 

Ambição pelos ODS

O Ambição pelos ODS (SDG Ambition) é um programa de aceleração internacional do Pacto Global que auxilia as empresas no estabelecimento de metas relacionadas aos ODS para integrar uma estratégia ESG em conformidade com padrões exigidos em todo o mundo.

O programa foi lançado em janeiro de 2020 no Fórum Econômico Mundial, em Davos, pelo Secretário-Geral da ONU, António Guterres. O Ambição pelos ODS permite às empresas ir além do progresso incremental e intensificar a mudança transformadora - ampliando o valor do negócio, construindo a resiliência e impulsionando o crescimento a longo prazo. Saiba mais aqui. Conheça algumas metas do programa abaixo.

 

As metas

As metas visam traduzir os ODS para os négocios, com foco em apliar o impacto das empresas em desafios globais. Veja alguns exemplos*:



Confira abaixo algumas oportunidades de mercado e tendências que comprovam que o investimento em ESG traz retorno às empresas.

ESG na B3

Como parte de sua estratégia de ampliação do portfólio de índices ESG, a B3 lançou, em setembro de 2020, em parceria com a S&P Dow Jones, índice S&P/B3 Brasil ESG, que utiliza critérios baseados em práticas ambientais, sociais e de governança para selecionar empresas brasileiras para sua carteira. Entre os critérios está a aderência aos Dez Princípios do Pacto Global na área de Direitos Humanos, Trabalho, Meio Ambiente e Anticorrupção. Saiba mais.



______________________

 

ESG no BTG

O BTG Pactual lançou o ETF (ESGB11), fundo de índice negociado em bolsa que considera aspectos ambientais, sociais e de governança (ESG) das empresas constituintes. O ESGB11 replicará a carteira do índice S&P/B3 Brasil ESG.

 

______________________


ESG no BlackRock

A maior gestora da ativos do mundo, a BlackRock, com mais de USD 6 trilhões em carteira, passou a incluir em 2020 métricas ESG, transversalmente, em todas as suas análises de riscos. 

NOSSOS PARCEIROS

APOIADORES INSTITUCIONAIS

Grupo Boticário
MRV
Klabin