Notícias

Brasileira ganha prêmio do Pacto Global em Nova York pelo Empoderando Refugiadas

Por Maria Garcia No início, eram somente ideias com boas intenções.

Por Maria Garcia
No início, eram somente ideias com boas intenções. Três anos depois, um projeto que busca a alocação de refugiadas no mercado de trabalho brasileiro é reconhecido pela premiação SDG Pionners, promovido pelo Pacto Global em Nova York. Danielli Pieroni, diretora de Operações da Foxtime, é uma das agraciadas pelo prêmio que será oficialmente divulgado no dia 24 de setembro durante o UN Global Compact Leaders Summit, em Nova York. A Foxtime é parceria estratégica do Empoderando Refugiadas e, desde a sua primeira edição, foi responsável pelo processo de coaching das participantes. O projeto da Rede Brasil do Pacto Global também conta com apoio da ONU Mulheres, Agência da ONU para Refugiados (Acnur) e outras empresas e instituições parceiras.
Pieroni é a quarta brasileira a se destacar entre as lideranças globais. Segundo a diretora de Operações, o reconhecimento revela os esforços do Pacto Global para olhar o potencial das pequenas e médias empresas no alcance dos Objetivos Globais. “Quando o Pacto vê que os dados importam, mesmo que em escala menor em relação aos impactos das grandes empresas, ficamos honrados por isso”, disse a nova SDG Pionner.
Pieroni disputou com projetos de redes locais do mundo todo, a partir de uma competitiva e rigorosa seleção.
A ideia inicial do projeto foi ajudar refugiadas vulneráveis a se integrar na sociedade de destino, por meio da inserção laboral. Com orientações sobre o mercado brasileiro, legislação e práticas culturais, refugiadas puderam se empoderar e, desse modo, evitar ser alvo fácil de trabalhos degradantes como os análogos à escravidão. “Elas caem aqui desorientadas, de início. Estão emocionalmente abaladas e não sabem mais sonhar, pois só querem uma vida nova e melhor. O coaching foi uma forma de lhes dar condições para competir no mercado de igual para igual com um brasileiro. Elas precisam ter uma mínima bagagem de como o mercado funciona aqui”, comenta Danielli. Segundo Pieroni, empregadores qualificam suas funcionárias refugiadas como colaborativas, gratas pela oportunidade e muito proativas.
A consultoria de recursos humanos Foxtime é signatária da Rede Brasil desde 2013. Na época, a empresa viu a necessidade de aprender mais sobre sustentabilidade coorporativa para agir de forma mais propositiva. A oportunidade de participar do Empoderando Refugiadas se deu em 2015, com a abertura da primeira turma. Atualmente, está na sua terceira edição e já atendeu mais de 100 mulheres. O Empoderando Refugiadas também foi um dos 19 cases selecionados entre 80, que serão apresentados no SDGs in Brazil – The Role of The Private Sector, para representantes de agências da ONU e investidores internacionais. São iniciativas do setor privado brasileiro relacionadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODs).